Caderno de Memórias Coloniais: Isabela Figueiredo entrega livro bruto e necessário

A portuguesa Isabela Figueiredo comete em "Caderno de Memórias Coloniais" uma obra imprescindível para entender o mundo confuso em que sobrevivemos.

Anúncios

As névoas da memória

Quando li que Raduan Nassar se inspirou em "A Paixão", do português Almeida Faria, para escrever "Lavoura Arcaica", me vi obrigado a ler o livro lançado originalmente em 1965. "A Paixão" faz parte da tetralogia lusitana - os outros livros, inéditos no Brasil, são "Cortes", "Lusitânia" e "Cavaleiro Andante". Depois de anos fora de catálogo, … Continue lendo As névoas da memória

Alexandra Lucas Coelho: “A ficção não me interessa em nada, só o real”

Em 2011, Alexandra Coelho Neto estava trabalhando na divulgação do seu livro “Viva México” (Tinta-da-China) quando explodiram as manifestações no Egito. Decidida, ela não retornou ao trabalho – na época, estava trabalhando no Rio de Janeiro como correspondente do jornal “Público”, de Portugal. Pediu uma semana de férias e, por conta própria, foi ao Cairo … Continue lendo Alexandra Lucas Coelho: “A ficção não me interessa em nada, só o real”

As viagens que vêm de Portugal

Uma das editoras mais interessantes no Brasil hoje é a Tinta-da-China. Recém-chegada de Portugal, a casa editorial já colocou nas prateleiras títulos que valem a leitura e que dão uma sacudida na linha de lançamentos brasileiros. Uma busca no site português revela uma editora com olhar atento ao jornalismo e ao relato de viagem. No … Continue lendo As viagens que vêm de Portugal

Dos arquivos: O Clube do Bangue Bangue

O Clube do Bangue Bangue foi uma espécie de “panelinha” criada pelos fotógrafos Greg Marinovich, João Silva, Kevin Carter e Ken Oosterbroek, quando eram correspondentes na África do Sul, no período de transição do apartheid para a democracia. Para relatar a história dessa época, Marinovich, em comum acordo com o outro sobrevivente do quarteto, João … Continue lendo Dos arquivos: O Clube do Bangue Bangue

O tempo e a saudade

"Perguntei-lhe sobre aquele tempo, quando ainda éramos tão jovens, ingênuos, impetuosos, tontos, despreparados. Algo disso restou, menos a juventude." Esta foi minha porta de entrada para a obra de Antonio Tabucchi. É o trecho de abertura de "O Círculo", o primeiro conto de "O Tempo Envelhece Depressa" (CosacNaify). Como não se envolver, então, pela história … Continue lendo O tempo e a saudade