O crime narrado por uma senhora inglesa

Literatura policial pode ser um ponto de segurança. É abrir um livro e esquecer completamente do dia. Claro, bons livros fazem isso, de qualquer gênero, mas exigem um nível de concentração que talvez você não esteja disposto a liberar.O que não acontece na literatura policial. Não que seja descartável. Há autores e obras que são … Continue lendo O crime narrado por uma senhora inglesa

Anúncios

A Copa de 1950 sob o olhar uruguaio

Para mostrar os dois lados de uma batalha em Iwo Jima, na 2ª Guerra Mundial, Clint Eastwood filmou em 2006 os dois lados do confrontro: "A Conquista da Honra", com ênfase nos Estados Unidos, e "Cartas de Iwo Jima", uma rara versão do lado japonês. Essa visão dupla é sempre bem-vinda, pois ajuda a colocar … Continue lendo A Copa de 1950 sob o olhar uruguaio

Notas de leitura – Para tentar entender o Brasil (e a Copa)

"A Copa Como Ela É" (Companhia das Letras), de Jamil Chade Lançado apenas em formato digital, pela coleção Breve Companhia, o livro é uma longa reportagem do jornalista de "O Estado de S. Paulo". Ele investiga as relações um tanto nebulosas entre Fifa e CBF, não só para trazer a Copa para o Brasil, mas … Continue lendo Notas de leitura – Para tentar entender o Brasil (e a Copa)

A leitura de uma Nobel

Não me entusiasmo normalmente pelas nomeações do Nobel de Literatura. Dificilmente saiu à procura de algum autor desconhecido para mim após a premiação. Há os que vencem e que já foram lidos, como Mario Vargas Llosa e Jean-Marie Gustave Le Clézio. Talvez eu leia um dia Doris Lessing, por conta de um texto antigo de … Continue lendo A leitura de uma Nobel

Notas de leitura – Primavera Árabe

"O Silêncio contra Muamar Kadafi" (Companhia das Letras), de Andrei Netto O livro dá toda a impressão que vai conquistar só pelo subtítulo: "A revolução na Líbia pelo repórter brasileiro que esteve nos calabouços do regime". Andrei Netto é correspondente de "O Estado de S.Paulo" em Paris e foi deslocado para cobrir o movimento na … Continue lendo Notas de leitura – Primavera Árabe

O jazz pelas mãos de Veríssimo e Vinicius

Há escritores que escrevem como se tocassem jazz - caso de Júlio Cortázar. E há aqueles que mergulham no jazz como amantes. Casos de Luís Fernando Veríssimo e Vinicius de Moraes, que escreveram como o gênero modificou suas vidas. De Veríssimo, a Objetiva, por meio do selo Foglio, lançou "Jazz", uma coletânea de textos que o … Continue lendo O jazz pelas mãos de Veríssimo e Vinicius

Gabriel Axel (1918-2014) e sua festa de Babette

"Na maioria das vezes, os moradores de Berlevaag, no transcorrer de uma boa refeição, sentiam-se um pouco pesados. Nessa noite, não foi assim. Os convivas sentiam-se mais leves, e de espírito mais leve, quanto mais comiam e bebiam. Já não precisavam mais lembrar-se de sua promessa. Era, percebiam, quando o homem não só esquecia completamente, … Continue lendo Gabriel Axel (1918-2014) e sua festa de Babette

Pantaleão me visita novamente: uma releitura de Llosa

Livro encerrado, livro aberto. Escolhi ler "Os Filhos da Meia-Noite" (Companhia das Letras), de Salman Rushdie, uma edição eletrônica que comprei por R$ 9,90 no Kobo em uma das várias promoções que a editora fez para e-books. Os livros eletrônicos permitem, quando alcançam preços razoáveis, descobertas e redescobertas. Por esse preço, a minha biblioteca no … Continue lendo Pantaleão me visita novamente: uma releitura de Llosa

“Acho uma pena que as pessoas acreditem que a ‘realidade’ seja algo assim tão facilmente apreensível”

Ricardo Lísias propõe um desafio ao leitor, especialmente do seu último livro, “Divórcio” (Alfaguara). Passar por suas páginas sem imaginar que o que lê é uma autobiografia. “O Céu dos Suicidas” (Alfaguara), o anterior, já propunha o embate, fortalecido na nova obra. Como seu contemporâneo Michel Laub, Lísias não faz uso de fronteiras – pode-se … Continue lendo “Acho uma pena que as pessoas acreditem que a ‘realidade’ seja algo assim tão facilmente apreensível”

Estamos vivos – um perfil de Bruce Springsteen

Os relatos sobre o show que Bruce Springsteen apresentou em São Paulo na quarta-feira são superlativos, um dicionário de sinônimos para adjetivos como fabuloso, sensacional, impressionante, emocionante. Atualmente, seu show é considerado como um dos mais energizantes do mundo, ainda que distante do faturamento de medalhões como Rolling Stones, U2 e Madonna. Bruce toca sábado … Continue lendo Estamos vivos – um perfil de Bruce Springsteen