Notas de Carnaval

Cheguei a María Luisa Bombal e seu "A Última Névoa" (Cosac Naify) por acaso. Passava os olhos em uma prateleira quando me deparei com o livrinho. Curioso, puxei e me encantei com o texto que Jorge Luis Borges escreveu na orelha. São duas novelas, a que nome ao livro e "A Amortalhada". A autora chilena … Continue lendo Notas de Carnaval

Anúncios

Das listas do Facebook à memória de um filho

O Facebook tem algumas manias impossíveis de serem rastreadas. Por exemplo, em menos de duas semanas, a rede social, acometida de uma febre flemingniana (de Rob Fleming, o protagonista de "Alta Fidelidade"), virou museu, depois cinemateca e, por fim, biblioteca - e voltou ao cinema. Participei da corrente literária, que pedia, a convite de uma … Continue lendo Das listas do Facebook à memória de um filho

A desconstrução do escritor, por Sabato

O cineasta Domingos de Oliveira disse certa vez algo como: “Escrever é muito fácil, basta sentar e rasgar o peito com uma faca”. Para Albert Camus, “a obra de arte proporciona (ao escritor) vencer seus fantasmas e se aproximar um pouco mais de sua realidade nua”. E se Roland Barthes defende que o romance é … Continue lendo A desconstrução do escritor, por Sabato

Da biblioteca de casa, um diálogo entre Borges e Sábato

Sábato: Eu penso que o homem é um ser emocional, em segundo lugar, intelectual. O homem primeiro sente o mundo e depois cavila sobre o mundo, ou seja, a arte precede a filosofia, a poesia é anterior ao pensamento lógico. Por isso sou da opinião de que, mas claro, são conjecturas, as primeiras manifestações do … Continue lendo Da biblioteca de casa, um diálogo entre Borges e Sábato