Ana Paula Maia: “Todos os meus livros são brutos”

A escritora Ana Paula Maia

"Todos os meus livros têm por base essa investigação e especulação sobre a natureza da maldade." É dessa forma que Ana Paula Maia descreve seu trabalho. Em entrevista, ela fala sobre seu trabalho e os personagens, dominados pela violência e a presença de animais. Comento também sobre a leitura seguida de cinco de seus livros.

Anúncios

Edyr Augusto: “Creio que há algum preconceito contra o que é escrito no Norte”

O autor de "Pssica", Edyr Augusto | Foto: Luiz Braga/Divulgação

Em entrevista ao blog, o autor Edyr Augusto fala de "Pssica", romance que se passa no Pará e que tem uma linguagem seca e urgente. Na trama, violência urbana, tráfico de mulheres e corrupção. O escritor também trata da dificuldade de publicar e reflete sobre o mercado editorial.

Luiz Fernando Vianna: “Dar a cara a tapa me parece importante em obras pessoais”

Em entrevista ao blog, o jornalista fala sobre "Meu Menino Vadio", livro em que conta como descobriu que seu filho tem autismo e sua vida se transformou a partir do diagnóstico.

Maria Valéria Rezende: “O retorno é sempre uma reinvenção da memória”

Em entrevista ao Capítulo Dois, a autora fala de "Quarenta Dias" e "Outros Cantos", do seu trabalho como educadora e do novo livro, ainda sem data de lançamento.

Julián Fuks: “A melhor maneira de resistir aos fatos é começar por assumi-los sem meias palavras”

"A Resistência" (Companhia das Letras) chega ao fim de 2016 consagrado. Venceu o Prêmio Jabuti de Livro de Ficção do Ano e ficou em segundo lugar no Prêmio Oceanos. No livro, Julián Fuks trata do irmão adotado e da vida dos pais, que lutaram contra a ditadura militar na Argentina e se exilaram no Brasil. … Continue lendo Julián Fuks: “A melhor maneira de resistir aos fatos é começar por assumi-los sem meias palavras”

“Meninos em Fúria”, o inventário de uma época fundadora

"Meninos em Fúria" (Alfaguara) é um livro que se divide em três. Como ponto de partida, é uma biografia de Clemente, membro essencial do movimento punk em São Paulo na virada dos anos 70 para os 80, vocalista dos Inocentes e que hoje toca também com o Plebe Rude. É uma biografia do movimento punk no … Continue lendo “Meninos em Fúria”, o inventário de uma época fundadora

“Ghetto Brother”: autor de HQ sobre o pacificador do South Bronx fala das gangues e de “The Get Down”

O South Bronx, na virada dos anos 60 e 70, era uma espécie de terra de ninguém. Formada por negros e latinos, basicamente, a região ao sudoeste de Nova York vivia sob violência e em um cenário de guerra. Terrenos abandonados e cheios de entulhos, carcaças de edifícios, incêndios, sujeira, miséria e preconceito dominavam a … Continue lendo “Ghetto Brother”: autor de HQ sobre o pacificador do South Bronx fala das gangues e de “The Get Down”

Ivone Benedetti sobre o impeachment: “O que ganhamos?”, pergunta a autora de “Cabo de Guerra”

Tradutora de filosofia, de Llosa, Primo Levi, Eco e Balzac, entre outros autores, Ivone Benedetti volta à ficção com "Cabo de Guerra" (Boitempo), estupendo (me desculpem pelo adjetivo logo no primeiro parágrafo) livro sobre o período da ditadura militar no Brasil (1964-1985). A autora foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura de 2009, com "Immaculada" … Continue lendo Ivone Benedetti sobre o impeachment: “O que ganhamos?”, pergunta a autora de “Cabo de Guerra”

Ricardo Lísias: “As pessoas que fizeram a denúncia, com intenção de me causar problemas, acabaram produzindo um bem gigantesco para a literatura brasileira”

Era para ser uma série de e-books, com desdobramentos literários já planejados. Só que a história ultrapassou não somente a expectativa de seu autor, o escritor Ricardo Lísias, como deixou fronteiras narrativas para trás. Ficção e realidade se misturaram de tal forma que ficou impossível verificar qual era qual. Essa história começou quando Lísias lançou pela … Continue lendo Ricardo Lísias: “As pessoas que fizeram a denúncia, com intenção de me causar problemas, acabaram produzindo um bem gigantesco para a literatura brasileira”

Cervantes e “Dom Quixote”: 400 anos de modernidade – Parte 2

A seguir, a entrevista com a hispanista Suelu Reis Pinheiro, que falou sobre Cervantes para a reportagem publicada em 2005, no quarto centenário do lançamento de "Dom Quixote". Este é o segundo post do especial do escritor. A primeira parte tem  a reportagem principal e a terceira consta de um artigo de uma especialista em … Continue lendo Cervantes e “Dom Quixote”: 400 anos de modernidade – Parte 2