Da biblioteca de casa, Entre parêntesis

Um retorno um tanto confuso, dominado pela insônia e sem muita lógica

Este é um relato de como a insônia me fez buscar livros na minha biblioteca, na tentativa de conquistar o sono. Nessa caça, encontrei livros que sempre tive vontade de ler e outros que havia tempos não lembrava.

Anúncios
Brasil, Da biblioteca de casa, Obituário, Poesia

Ferreira Gullar, 1930-2016

"turvo turvo a turva mão do sopro contra o muro escuro menos menos menos que escuro menos que mole e duro menos que fosso e muro: menos que furo escuro mais que escuro: claro como água? como pluma? claro mais que claro claro: coisa alguma e tudo (ou quase) um bicho que o universo fabrica… Continuar lendo Ferreira Gullar, 1930-2016

Argentina, Da biblioteca de casa, Entrevistas

Sobre Borges e seus diálogos

Por conta dos 30 anos sem Jorge Luis Borges, lembrei de mais alguns livros do autor argentino, especialmente dos livros de entrevistas. Em 2009, a Hedra lançou três livros com a íntegra das entrevistas que Borges concedeu ao jornalista e escritor Osvaldo Ferrari, em 1984 e 1985: "Sobre a Amizade e Outros Diálogos", "Sobre a… Continuar lendo Sobre Borges e seus diálogos

Argentina, Da biblioteca de casa, Memórias

30 anos sem Borges

Hoje, faz 30 anos da morte de Jorge Luis Borges. Deixo um recorte de um dos livros dele como homenagem. ***** "Não está aqui Isidoro Suárez, que comandou uma carga de hussardos na batalha de Junín, que não passou de uma escaramuça e que mudou a história da América. Não está aqui Félix Olavarría, que… Continuar lendo 30 anos sem Borges

Da biblioteca de casa, Estados Unidos, Memórias

Da biblioteca de casa: “Linha M”, de Patti Smith

"Passando pelo pórtico dos anjos, é possível encontrar sem dificuldade onde Bertolt Brecht está enterrado. Percebi que alguns buracos de balas tinham sido preenchidos com argamassa desde a minha última visita. A temperatura estava despencando e começava a cair uma neve leve. Sentei diante do túmulo de Brecht e cantarolei a canção de ninar que… Continuar lendo Da biblioteca de casa: “Linha M”, de Patti Smith

Da biblioteca de casa, Ficção, Itália

Da biblioteca de casa: Pirandello

"A solidão nunca está com você, ela está sempre sem você e, portanto, ela só é possível na presença de algo estranho, lugar ou pessoa que seja, que o ignore completamente, e que você desconheça totalmente, de tal modo que a sua vontade e o seu sentimento fiquem suspensos e perdidos numa incerteza angustiosa e,… Continuar lendo Da biblioteca de casa: Pirandello

Brasil, Da biblioteca de casa, Memórias

Da biblioteca de casa: “O Afeto que se Encerra”

"O artista ficou na terra de ninguém. É o nosso habitat natural. Abaixo a retórica que levou uma geração, uma cultura, uma falsa consciência, ao extermínio. Registramos fragmentos ('esses fragmentos salvei das minhas ruínas', termina 'The Waste Land', resumindo o que é possível e crível em literatura). Nenhuma reverência a instituições, credos, à grandiloquência que… Continuar lendo Da biblioteca de casa: “O Afeto que se Encerra”

Da biblioteca de casa, Ficção, Suíça

Da biblioteca de casa: Robert Walser

"O que salta aos olhos em mim é que sou uma pessoa comum, quase exageradamente comum. Sou um dos muitos, e é isso que acho tão estranho. Acho estranhos os muitos e sempre penso: 'Mas, afinal, o que fazem  todos eles, o que querem todas essas pessoas?'. Eu literalmente desapareço sob essa massa de muitos."… Continuar lendo Da biblioteca de casa: Robert Walser

Alemanha, Da biblioteca de casa, Ficção

Da biblioteca de casa: “Michael Kohlhaas”

"Kohlhaas disse, enquanto tomava, comovido, o chapéu entre as mãos: de modo que sendo assim não poderei tomar parte, reverendíssimo senhor, no beneplácito do perdão que vos implorei? Lutero respondeu, seco: por teu salvador, não; isso ficará reservado ao príncipe eleitor, conforme a tentativa que prometi fazer! E com isso assinalou ao fâmulo que encaminhasse… Continuar lendo Da biblioteca de casa: “Michael Kohlhaas”

Da biblioteca de casa, Poesia, Polônia

Da biblioteca de casa: a poesia de Wislawa Szymborska

"Não há perguntas mais urgentes do que as perguntas ingênuas" "Existe então um mundo assim sobre o qual exerço um destino independente? Um tempo que enlaço com correntes de signos? Uma existência perene por meu comando? A alegria da escrita. O poder de preservar. A vingança da mão mortal." "Escuto vozes não menos que os… Continuar lendo Da biblioteca de casa: a poesia de Wislawa Szymborska