Notas de um Leitor — edição 7

Nana Queiroz

A coluna encerra sua trajetória com destaque para dois livros de não ficção: "Presos que Menstruam", de Nana Queiroz, e "A Arte do Descaso", de Cristina Tardáguila. Também tem comentários de obras de Dalton Trumbo, Sándor Márai e Timothy Snyder. O top 5 é de Ian McEwan.

Anúncios

Uma crônica bissexta sobre alguns livros

Neste texto, escrevo sobre cinco livros: "O Vendido", "Nadando de Volta para Casa", "Múltipla Escolha", "Comer Animais" e a terceira parte de "O Árabe do Futuro".

Notas de Leitura – Gordon Lish, Mankell e ensaios sobre violência policial

Nestas Notas, um livro de contos, outro de ensaios sobre a violência da PM e um romance policial.

Notas de Leitura – Sobre futebol, comida e praia

"Tempos Vividos, Sonhados e Perdidos" (Companhia das Letras), de Tostão Saudado como um dos bons cronistas do jornalismo esportivo, Tostão tem como grande mérito escapar do clubismo, do papo de boleiro e das estatísticas excessivas. Sua análise é mais emotiva, sem deixar de lado a técnica, por conta do seu texto, recheado de referências que … Continue lendo Notas de Leitura – Sobre futebol, comida e praia

Notas de Leitura – Livros que precisam ser lidos

Gosto de escrever umas notas de leitura para dar vazão a livros lidos, relidos ou que mereçam ser selecionados por algum motivo. São textos curtos, sem o compromisso de esmiuçar tanto a experiência. . Alguns livros merecem um texto mais aprofundado, mas o dia a dia não me permite e não gostaria de deixar passar tanto … Continue lendo Notas de Leitura – Livros que precisam ser lidos

“E a História Começa”: Amós Oz reflete sobre as aberturas dos livros

O editor da Companhia das Letras, Luiz Schwarcz, escreveu no blog da editora, na semana passada, um texto sobre começos de livros. Apresenta uma boa reflexão, mas o dono do maior conglomerado editorial do país - que inclui, além da casa-mãe, Objetiva, Alfaguara, Sumo das Letras, entre outros selos menores - cometeu um erro. Disse … Continue lendo “E a História Começa”: Amós Oz reflete sobre as aberturas dos livros

Quando publicar jornalismo literário se tornou um ato de preguiça editorial

Vez ou outra, minhas leituras são interrompidas por livros que pedem para ultrapassar a fila imediatamente. Por melhor que seja o título da cabeceira, outros se impõem e me forçam a deixá-lo de lado. "Entre Fiéis", do Naipaul, e "Rostos na Multidão", de Valeria Luiselli, dois livraços, tiveram que ser abandonados temporariamente. O motivo: "41 Inícios Falsos", … Continue lendo Quando publicar jornalismo literário se tornou um ato de preguiça editorial

Ainda sobre Umberto Eco

Fui à estante olhar os livros de Umberto Eco e peguei "Diário Mínimo" (Record), uma coletânea de textos que ele escreveu para jornais e revistas em que o humor e a paródia dominam. Se Eco escrevesse esses textos hoje, seria taxado de fascista, comunista, reacionário, ignorante, entre outros adjetivos nada lisonjeiros. Pois como resistir ao … Continue lendo Ainda sobre Umberto Eco

Achados da Estante Virtual – “Negociando com os Mortos”

Por Enzo Potel Em algum momento do ano passado, estive procurando resenhas de obras da Margaret Atwood, de quem até então nada havia lido, e descobri “Negociando com os Mortos” (Rocco), um livro espetacular sobre a escrita de ficção. A vida de Atwood é apenas uma discreta moldura com a qual ela vai questionando sua … Continue lendo Achados da Estante Virtual – “Negociando com os Mortos”

Notas do Carnaval

O feriado começou com um livro em andamento, "O Pai Morto" (Rocco), de Donald Barthelme, saudado como um dos grandes lançamentos do ano passado. Elogiado por nomes como Thomas Pynchon e Salman Rushdie, o autor é lembrado por sua irreverência e liberdade artística, retratadas na falta de convenções em suas narrativas. O livro tem 239 páginas. É … Continue lendo Notas do Carnaval