Em “A Noite da Espera”, Milton Hatoum entrega um romance sobre a memória e paciência

Milton Hatoum volta ao romance com a primeira parte de uma trilogia sobre Brasília e os anos da ditadura. "A Noite da Espera" conta a história de Martim, filho de pais separados que precisa se ajustar à vida na capital.

Anúncios

De Carlos Heitor Cony, restam as memórias de seus livros

O jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, morto neste sábado, 6 de janeiro, foi um dos autores que li com mais intensidade, em um período de dois anos. Resgato algumas memórias e lembro que seus livros não estão mais comigo.

Luiz Fernando Vianna: “Dar a cara a tapa me parece importante em obras pessoais”

Em entrevista ao blog, o jornalista fala sobre "Meu Menino Vadio", livro em que conta como descobriu que seu filho tem autismo e sua vida se transformou a partir do diagnóstico.

Maria Valéria Rezende: “O retorno é sempre uma reinvenção da memória”

Em entrevista ao Capítulo Dois, a autora fala de "Quarenta Dias" e "Outros Cantos", do seu trabalho como educadora e do novo livro, ainda sem data de lançamento.

Notas de Leitura: sobre a fúria da internet, um complô internacional e 36 vidas inventadas

Comento livros de Michel Laub, Henning Mankell e J. Rodolfo Wilcock. Dois deles são excepcionais.

Notas de Leitura – Gordon Lish, Mankell e ensaios sobre violência policial

Nestas Notas, um livro de contos, outro de ensaios sobre a violência da PM e um romance policial.

“Tempos Instáveis”: textos fundamentais da “Piauí”, mas a edição tem um porém

Este é o novo livro da coleção Jornalismo Literário, uma seleção de reportagens da revista "Piauí". Tem um único grande problema: o prefácio.

Nova antologia reforça a falta que Paulo Francis faz ao jornalismo cultural

"A Segunda Mais Antiga Profissão do Mundo" é o segundo volume de textos do jornalista.

“À Sombra do Poder” escancara bastidores do fim do governo Dilma

Jornalista escreve relato da época em que trabalha na comunicação do governo federal.

Como escolher Daniel Galera e ignorar Elvira Vigna? O Prêmio Bravo! responde

A revista eletrônica escolheu três homens para a eleição dos melhores do ano. Esqueceram das mulheres, que escreveram livros infinitamente superiores a pelo menos um dos escolhidos da lista.