Um romance policial para aliviar tensões

Quando o cérebro chega próximo ao ponto de ebulição, uso uma tática que é infalível: a leitura de romances policiais. Nestes tempos em que o medo e a preocupação rondam nossas ideias, a fervura é quase permanente. Por isso, indico um policial de categoria.

Um dos meus autores policiais favoritos é o sueco Henning Mankell. Suas histórias não são apenas sobre um crime ou a vida de um detetive — o seu é Kurt Wallander, que virou uma boa série na BBC.

Um bom exemplo é O Homem de Beijing (Companhia das Letras), um catatau de mais de 500 páginas, mas que se lê tão rapidamente que se tem a sensação de ultrapassar uma novela.

Aqui, não temos Wallander, pois este não é simplesmente um policial. O livro avança por política internacional e história. Parte de um crime, um massacre ocorrido num vilarejo no interior da Suécia, onde 18 idosos morreram de forma brutal. Aparentemente sem causa, o caso chama a atenção de uma juíza, que começa a ligar pontos e a investigar por conta própria.

A história passeia por quatro continentes, recua no tempo até a época de construção dos Estados Unidos, vai tratar de vingança e discutir ideologias, em uma narrativa que raramente permite ao leitor tomar fôlego.

Uma deliciosa viagem, conduzida por imagens e personagens sólidos, em uma trama que muito bem amarrada em todas as suas pontas.

Leitura que entretém, prende a atenção e ajuda a abstrair, “O Homem de Beijing” ainda tem um texto muito bem escrito, como é comum em Mankell, sem soluções fáceis e obviedades. Pode apostar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s