“Repórter”: ou as memórias de Seymour Hersh se tornam a nova bíblia do jornalismo

Repórter (Todavia) é daqueles livros que ajudam a entender como o jornalismo chegou ao ponto atual e o que falta para que saia dessa incômoda posição.

As memórias de Seymour M. Hersh percorrem um período do século 20 glorioso para o jornalismo — ainda que focado nos Estados Unidos, mas com repercussão mundial. E Hersh foi peça fundamental nessa história.

Em seu livro, ele narra os bastidores de sua carreira, do começo errático e turbulento até a consagração com reportagens clássicas e que se tornaram referência, como a do massacre de My Lai, no Vietnã, publicada pela revista The New Yorker em 1972.

Há pouco espaço para autocelebração, e Hersh prefere jogar aberto, sem mea culpa ou justificativas. Seus erros estão estampados nas páginas, e cabe ao leitor identificá-los e avaliá-los, sem que o autor precise conduzi-lo pelas mãos — não seria essa a função do jornalista?

De gênio nem sempre conciliador, Hersh enfrentou editores medrosos e fontes perigosas. Nada foi obstáculo para conduzir seu trabalho, apurar e escrever o que precisava ser revelado. Ele que passou pelas principais Redações dos EUA, como New York Times e The New Yorker. Sem se ater a grifes, procurava quem tinha coragem de publicar suas histórias, que não raro incomodava o poder.

Ao ler estas memórias, fica claro que falta ao jornalismo atual gente como Hersh — ainda que seja um clichê, mas é inevitável fazer essa comparação. Claro que há uma crise financeira que impede o surgimento ou estabelecimento de talentos como o do jornalista americano, mas também há uma covardia ancorada na falta de ousadia que faz com que a discussão em torno do jornalismo ande em círculo, sem conclusão: falta leitor e por isso falta dinheiro ou falta dinheiro e por isso falta leitor?

Discutir qualidade, formação, linha editorial, independência, inovação, isso fica sempre em segundo plano. Falta inteligência em boa parte das redações, reféns de fórmulas ultrapassadas e textos caça-cliques nas redes sociais.

Hersh é o oposto de tudo isso. Suas reportagens eram profundas, bem apuradas e tecnicamente perfeitas. Ele tinha faro, inteligência para entender o que estava escondido e habilidade para desvendar. Não se forma um Hersh apenas nas capengas faculdades de jornalismo — ele que tentou estudar Direito e Administração, sem sucesso, até cair em uma Redação e deslanchar como repórter.

Ler este “Repórter” permite a compreensão do que foram os Estados Unidos na metade final do século passado e de como seu trabalho serviu de farol para uma geração de jornalistas brasileiros que já deixaram de lado a profissão ou se acomodaram na cadeira de colunistas — talvez com exceção de Elio Gaspari.

Um jornalismo ativo, bem formado e estruturado é parte essencial de uma sociedade democrática. Este livro é prova disso.

Infelizmente, em português, só há duas traduções de livros de Hersh: “Cadeia de Comando”, sobre as torturas praticadas por militares no Iraque, e “O Lado Negro de Camelot”, um mergulho nos bastidores de John F. Kennedy, ambos fora de catálogo.

A editora, na época do lançamento destas memórias, selecionou algumas matérias produzidas por Hersh e disponíveis na rede. Reproduzo a seguir. Estão em inglês.

  • O massacre de My Lai, The New Yorker. Durante a Guerra do Vietnã, a reportagem revelou o assassinato de civis cometido pelo exército dos Estados Unidos. Rendeu ao jornalista o prêmio Pulitzer na categoria de melhor reportagem internacional.
  • Operações ilegais da CIA, The New York Times. Descortinou as atividades ilegais da CIA contra organizações pacifistas e outros movimentos políticos de oposição nos Estados Unidos, o que resultou na demissão de James Jesus Angleton, chefe da agência de inteligência.
  • O lado desumano da Guerra ao Terror, The New Yorker. Evidenciou o abuso de autoridade em Abu Ghraib, no Iraque, com fotos chocantes de militares americanos humilhando e torturando prisioneiros iraquianos.
  • A verdade sobre a morte de Osama bin Laden, London Review of Books. A reportagem revelou não apenas que oficiais paquistaneses foram informados da operação antes que ela acontecesse, como ainda atuaram em cooperação com os Estados Unidos. Suas fontes ainda apontaram que o terrorista mais procurado do mundo não estava escondido quando foi encontrado pelos soldados americanos, mas sim preso desde 2006.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s