“Gideon Falls” expande o horizonte de Jeff Lemire

Li Jeff Lemire pela primeira há pouco mais de um ano. Sua peça de entrada foi “Nada a Perder” (Nemo), uma HQ que contava a história de um ex-ídolo do esporte esquecido no gelo do Canadá e que buscava reerguer sua vida.

A melancolia que impregnava as páginas da HQ me chamou a atenção para o autor canadense, e logo emendei com o que classificam como sua obra-prima, “Condado de Essex” (Mino), uma trilogia unida em um único volume que narra histórias de pessoas desse condado e como a vida se encarrega de cada uma delas.

Cheguei, depois, a “Soldador Subaquático” (Mino), o mais fraco do trio, mas igualmente forte e superior a boa parte do que é produzido atualmente.

Em paralelo, namorei por um ano a série Gideon Falls (Mino), sempre muito elogiada por quem lê e sabe o que falar a respeito de quadrinhos. Quando a editora lançou o terceiro volume, encontrei uma boa promoção na loja da Mino e comprei os três livros — aliás, essa é uma editora a ser acompanhada.

“Gideon Falls” traz Lemire no auge da sua imaginação. Ao lado de Andrea Sorrentino, o canadense encontra espaço para ousar em imagens e roteiro.

O resumo, no que é possível descrever: um padre chega a um vilarejo para substituir seu colega morto de forma misteriosa. Em paralelo, numa grande cidade, uma psiquiatra trata um homem, Norton, que tem visões e coleciona peças encontradas na rua.

Lendas sobre um celeiro ocupam a vida de Gideon Falls, enquanto outras mortes acontecem. O padre mergulha na investigação e procura parceiros que possam explicar o que acontece na cidade. Já Norton avança em sua psicose.

A história tem tons de terror e mistério, mas é muito mais complexa do que isso. Há política, religião, culpa. Viagens no tempo e em realidades aumentam a perplexidade do leitor. Tudo cercado por uma trama que vai se desenhando de forma engenhosa. Até este terceiro volume — estão previstos cinco no total —, não dá saber para onde caminha a história.

E as ilustrações, em cores, ao contrário das obras de Lemire, que opta pelo preto e branco, mostram um artista capaz de criar cenas potentes e de grande força visual, principalmente quando utiliza páginas duplas.

Se nos volumes 1 e 2 (“O Celeiro Negro” e “Pecados Originais”) há uma sequência lógica na série, ainda que saltos no tempo e no espaço acompanhem o desenrolar, o terceiro (“Via-Sacra”) abriu uma  nova frente na história, com um recuo para o século 19, quando se dá início à lenda do celeiro.

Diferentemente de suas obras individuais, citadas no início do texto, a série “Gideon Falls” mostra um autor capaz de expandir seu universo sem perder suas características principais: a capacidade de imaginar, de contar boas histórias e ilustrar com criatividade.

2 comentários em ““Gideon Falls” expande o horizonte de Jeff Lemire

  1. Eu estava hiper curioso para saber qtos volumes Gideon Falls teria. Comprei o terceiro volume, mas vou esperar para sair os outros dois então. O mesmo acontece com Black Hammer também do Lemire Saberia dizer qtos volumes serão, Ricardo?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s