“Vale Tudo da Notícia”: Como o jornalismo de Rupert Murdoch levou um título centenário ao chão

A história é conhecida. Jornalistas de veículos de Rupert Murdoch, especialmente do tabloide “News of the World”, foram pegos numa trama de escutas ilegais que desembocou na prisão de um editor e no fim do jornal.

Foi um escândalo detonado por investigações jornalísticas, um trabalho que levou alguns meses até ser publicado no “The Guardian” por Nick Davies. A trama, que trazia consigo ameaças veladas e outras nem tanto, envolvia não somente jornalistas e a cúpula do jornal, mas policiais e até a Scotland Yard.

vale_tudoEsta é a história de “Vale Tudo da Notícia” (Intrínseca), o livro em que Davies esmiúça o caso e conta como a investigação começou, seus bastidores e consequências. O subtítulo reforça a pegada do livro: “O escândalo de grampos, suborno e tráfico de influência que abalou um dos maiores conglomerados de mídia do mundo”.

Celebridades, jogadores de futebol, políticos e realeza foram as vítimas das escutas ilegais, que ajudaram a vender muito jornal e colocaram em debate a forma como a imprensa britânica sensacionalista funcionava.

O relato de Davies é minucioso. A primeira parte, Crime e Acobertamento, é uma aula de jornalismo. Há um tom de mistério, apesar de a história ser conhecida, que o jornalista consegue impor ao texto. Mas quando ele chega à segunda parte, O Jogo do Poder, o leitor pode apresentar já um certo enfado – talvez cansaço seja a palavra adequada.

A profusão de nomes e o detalhamento dos fatos chegam a um nível de relatório. Os personagens envolvidos são tantos e diversos que fica difícil acompanhar a trama – ou o leitor passar por cima disso ou vai ter que consultar a cada parágrafo o índice, uma mistura de remissivo e onomástico, que ocupa quase 50 páginas do volume.

Não é uma tarefa fácil chegar ao final. Mas o conteúdo é tão impressionante que vale suportar o exagerado detalhamento e completar a leitura. Até porque, entremeando a história dos grampos, Davies insere análises sobre o trabalho jornalístico, a ética e o dilema diário de todo repórter. Resumindo, o leitor será recompensado ao final.

Assim como o jornalismo foi recompensado ao final desse caso.

*****

“Qual a diferença entre um repórter de um jornal como o ‘News of the World’ e um do ‘The Guardian’? Não acredite em quem lhe responder  que tem a ver com valores morais, inteligência ou sensibilidade. Em ambos os mundos há fihos da puta e idealistas, gente de moral duvidosa e gente boa. Repórteres são muito parecidos entre si. Funcionam à base de uma mistura psicológica inflamável, como gasolina com ar: uma combinação explosiva de imaginação e ansiedade.”

“Você exercita sua imaginação ao máximo, como se fosse um músculo, aé que fique mais forte que a dos outros, até que se transforme em algo bizarramente poderoso. E uma, duas, mil vezes você a aplica ao seu assunto e começa a se perguntar, com grande energia e imagens mentais vívidas: o que pode ser verdade? Onde posso encontrar provas? Quem pode saber? Por que essa pessoa falaria? Qual é o próximo passo? O que está faltando? Como completo o quebra-cabeça no escuro? Em seguida, quando você começa a analisar o produto de sua imaginação, completa a mistura despejando doses iguais de ansiedade capazes de abrir uma cratera no estômago. E se não der certo? Se eles não falarem comigo? Se preferirem falar com outra pessoa com um caderninho? Se mentirem para mim? Se gravarem a conversa comigo? Se me dedurarem para a oposição? E seu eu estiver errado? E se os idiotas da redação não publicarem a matéria?”

2 comentários em ““Vale Tudo da Notícia”: Como o jornalismo de Rupert Murdoch levou um título centenário ao chão

Deixe uma resposta para Ricardo Ballarine Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s