“No Coração do Mar” apresenta a Moby Dick que fez Melville transformar a história em mito

Minha relação com Moby Dick não aconteceu de forma linear. Quero dizer que não comecei a minha relação com a baleia branca por meio do romance de Herman Melville. A primeira vez foi com a adaptação cinematográfica dirigida por John Huston, aquela em que Ahab é interpretado por um ensandecido Gregory Peck. Não me convenceu, talvez porque era jovem demais – vi em uma madrugada na Globo, quando a emissora exibia clássicos durante a semana.

A história era conhecida. A baleia branca assombra um capitão, dominado pela fúria em caçá-la até o fim. Cheguei a ter um edição do romance de Melville, daquelas adaptadas, reduzidas para facilitar a leitura. Nunca li.

NoCoracaodoMarMoby Dick me pegou de vez, na verdade, em 2000, quando li “No Coração do Mar” (Companhia das Letras), um livro reportagem escrito por Nathaniel Philbrick que conta a história real do baleeiro Essex, embarcação que viajou pela costa norte-americana para caçar baleias em 1821 e quase não voltou.

Essa história teria inspirado Melville a escrever seu grande romance.

Esse livro me entusiasmou tanto que sempre o indicava a quem queria dicas de não ficção. E me veio à memória agora por conta da versão cinematográfica homônima dirigida por Ron Howard.

O livro de Philbrick é daquelas coisas que os americanos fazem muito bem. Reúne pesquisa minuciosa, reportagem e uma certa imaginação que não ultrapassa a verossimilhança. O historiador descreve o mercado de óleo de baleia no século 19, como o vilarejo Nantucket dependia dos baleeiros para sobreviver, a viagem do Essex, tudo com farta documentação e material iconográfico. Philbrick reproduz os relatos de sobreviventes, o que ajudou a propagar o mito do monstro branco.

Mais. Ele escreve para o leitor comum, não para o historiador. Estamos diante do modelo ideal para o jornalismo.

Não dá para ter uma memória tão vívida da experiência de leitura de 15 anos atrás, apenas que o livro me despertou a vontade de ler “Moby Dick”. Sem encontrar edições decentes, me transformei em Ahab até a Cosac Naify entregar a minha baleia branca em 2008, uma monumental edição do livro de Melville. Mas essa é outra história, que será contada em outro post.

Cena do filme "No Coração do Mar"
Cena do filme “No Coração do Mar”
Anúncios

Um comentário em ““No Coração do Mar” apresenta a Moby Dick que fez Melville transformar a história em mito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s