Da biblioteca de casa, França, Relatos de viagem

Da biblioteca de casa: “Áden, Arábia”, de Paul Nizan

“Eu tinha vinte anos. Não me venham dizer que é a mais bela idade da vida.”

“Tudo em volta delineia as diversa figuras da preguiça e do esquecimento. No mar, a liberdade só se igual à ausência.”

“Os verdadeiros viajantes e os verdadeiros fugitivos são testemunhas derrisórias da fraqueza humana.”

“Então, vive-se a frivolidade do passado ou a poeira de um futuro formado por hábitos e sistemas, a loucura que combina os elementos da miséria, aquela que não comporta melões em garrafas, estações no inferno, mulheres sem família. Jogo de xadrez em que os vivos perdem para os mortos. O pressentimento obscuro de que o número de tais combinatórias indigentes é, apesar de tudo, infinito conduz ao que temos de nomear desespero.”

(“Áden, Arábia”, de Paul Nizan)

Anúncios

2 thoughts on “Da biblioteca de casa: “Áden, Arábia”, de Paul Nizan”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s