Brasil, Crônicas, Estados Unidos, Ficção, Notas de leitura

Notas de leitura

Sedaris“Engolido pelas Labaredas” (Companhia das Letras), de David Sedaris
Após ler “Eu Falar Bonito um Dia”, fiquei interessado no trabalho de Sedaris, autor que mistura autobiografia e ensaios, num formato muito próximo ao da crônica, com bom humor e uma esperta observação do que ocorre ao redor. Neste outro volume de textos, estamos novamente diante de fatos que remetem à sua infância e adolescência, sua morada em Paris e depois num vilarejo na Normandia e ao seu relacionamento com Hugh. Sedaris escreve muito bem, transforma atos banais, do cotidiano, em uma crônica dos tempos. O melhor texto desta coleção é “Área de Fumantes”, um longo ensaio sobre sua tentativa de parar de fumar. Para tanto, ele viaja a Tóquio, para fugir da sua rotina. Enquanto narra sua experiência sem o cigarro, Sedaris entrega um relato de viagem riquíssimo – Tóquio nunca foi tão divertida e dissecada como nessa crônica.

13488_gg“Reprodução” (Companhia das Letras), de Bernardo Carvalho
O livro venceu o Jabuti de romance neste ano. Desde o seu lançamento, em 2013, fiquei tentado a ler este que muitos consideram o melhor trabalho de Carvalho. Minha experiência anterior com o escritor não tinha sido das melhores – “Nove Noites” e “Mongólia” desceram com muito esforço. Então, estimulado pela premiação, resolvi dar uma chance ao livro. A história começa com a prisão de um estudante de chinês, que se preparava para viajar à China, quando um homem tira a mulher que estava à sua frente na fila de embarque. O estudante, nunca nomeado, percebe que a mulher era sua professora, que abandonou o curso. Ele também é detido para dar informações sobre a mulher. E despeja todo tipo de preconceito – é o tal comentador de internet que a contra-capa e toda a campanha de divulgação disseram ser o mote do livro. Que nada. Essa é só a primeira parte do livro. Entram monólogos de um policial e de uma delegada (são partes de um diálogo, mas reproduzidos pela metade, pois o estudante só consegue ouvir um lado da história). E descobrimos que a história é outra. Carvalho escreve bem e domina as técnicas narrativas. Mas ao final deste “Reprodução”, restou a dúvida: e daí? O livro não caminha e fica a sensação de ser apenas um exercício de estilo. 

grande-irmao-lionel-shriver-ligia-braslauskas-livro-600“Grande Irmão” (Intrínseca), de Lionel Shriver
A escritora é autora de “Precisamos Falar Sobre o Kevin”, livro que se transformou em filme, uma das boas perturbadoras histórias dos últimos anos. Neste “Grande Irmão”, Lionel conta a história de Edison, um músico de jazz que ficou obeso e desembarca na casa da irmã, Pandora, para ficar uma temporada. Sua chegada vai ativar uma crise familiar com o marido, Fletcher, incomodado com os vícios de Edison (fumante, bagunceiro) e sua fome quase insaciável – a cena em que ele come açúcar direto do pote é chocante e muito bem escrita. Pandora então propõe ao antes bem relacionado irmão e agora falido um regime radical de um ano. Ela sai de casa para ajudá-lo e enfrenta a resistência do marido. Lionel trata então da obsessão pela comida e objetivos e discute relações familiares que se veem de repente tomadas por contingências. Ela é uma excelente contadora de história, sua prosa envolve e o fluxo narrativo é quase compulsivo. Seria um grande livro se o final não deixasse um gosto amargo, de enganação – é o máximo que posso escrever sem estragar a surpresa.

Anúncios

1 thought on “Notas de leitura”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s