Argentina, Arquivos, Comentário, Ficção

Dos arquivos: O sonho que precede a vingança

aquemdedireito_090711--Começa com uma cena de crime. Um padre é assassinado no povoado de Tres Perdices, no que poderia se chamar de Argentina profunda. Ninguém entende.

É o início de “A Quem de Direito” (Companhia das Letras), romance de Martín Caparrós, que capta um momento da história argentina para revivê-lo anos depois.

Carlos era um militante na época selvagem da ditadura militar (1976-1983), que perdeu a mulher grávida e o filho, provavelmente em uma sessão de tortura. Anos depois, solitário, sem perspectivas e doente, vai reviver aquele período e, despertado por ex-companheiros, partir para a busca da verdade sobre a morte da mulher.

Caparrós traça um perfil melancólico da geração que enfrentou os militares, por motivos ingênuos, idealistas ou egoístas – ele não toma partido, apenas aponta para onde aquela geração caminhou na época, quais eram as motivações e suas consequências.

Carlos encontra ex-militares, para descobrir que talvez haja vítimas além dos civis. Caparrós não trata de quem morreu, mas sim de quem está vivo e tem que conviver com o que o passado gerou. Não há acerto de contas. A ficção que Caparrós criou poderia muito bem ser real, e talvez seja. Seus personagens são palpáveis, assim como seus dramas e dilemas.

Dessa forma, “A Quem de Direito” surge como um daqueles livros fundamentais para entender não uma geração, mas sentimentos como vingança e raiva, tendo como pano de fundo a história. O tom melancólico que permeia o protagonista revela a sensação de sonho perdido, por mais ingênuo que possa soar. Para Caparrós, não importa, era o que aqueles jovens pensavam e ansiavam.

*****

“Mas acho que vê-la tão violenta, tão segura, era uma coisa que me excitava. Gostava – acima de tudo – que ela fosse capaz de afirmações tão contundentes, de uma solidez inverossímil. Eu não conseguia mais: já fizera muito isso, pagara um preço alto demais. Tentei dizer a ela que não fora só a derrota: que fora sobretudo o desaparecimento das ideias pelas quais lutávamos. Que agora os glorificadores daqueles anos querem reciclar e revender aquelas ideias transformadoras em postulados gerais – a justiça, a igualdade, a democracia, os famosos direitos humanos -, mas nós não lutávamos por essas coisas: lutávamos porque estávamos convencidos de que só seria preciso um empurrãozinho para que o socialismo – o desaparecimento dos ricos, o governo dos trabalhadores, tudo para todos – se instalasse, que era coisa de dias, de uns poucos anos no máximo. Estávamos convencidos de que o amanhecer estava logo ali: era noite e lambuzávamos os braços com filtro solar.”

Anúncios

4 thoughts on “Dos arquivos: O sonho que precede a vingança”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s