Comentário, Fotografia, França, HQ

Fotografia e quadrinhos se unem para retratar o Afeganistão

CAPA.inddFotografia, jornalismo e quadrinhos se unem em “O Fotógrafo” (Conrad), obra em três volumes que retrata o Afeganistão nos anos 80, ainda sob a invasão da então União Soviética.

O livro, com o subtítulo “Uma História no Afeganistão”, narra a viagem que o fotojornalista francês Didier Lefèvre fez para aquele país acompanhando uma equipe do Médico Sem Fronteiras. Ele excursionou pelo Paquistão e as montanhas do Afeganistão junto com a ONG e retratou tudo em imagens.

Treze anos depois, uniu-se a Emmanuel Guibert (texto e desenhos) e Frédéric Lemercier (diagramação e cores) para criar esta HQ única. Remete aos trabalhos documentais de Joe Sacco, acrescida de fotografias.

“Uma História no Afeganistão” mistura desenhos com fotografias sem que um arte interrompa a outra. São complementares no livro, funcionam como o testemunho de Lefèvre, que narra a história dos bastidores.

O volume 1 se dedica ao início da viagem, a chegada ao Paquistão. O 2 foca na viagem do Paquistão para o Afeganistão. O 3, o mais denso do pacote, narra a volta do fotógrafo para o Paquistão desacompanhado da caravana do MSF – conta com a ajuda de guias e amigos feitos no caminho de ida.

A narrativa é tensa em toda a sua extensão. Jovens armados, peregrinos, o desencontro de línguas, regiões desertas e geografia instável dominam todo o caminho de ida e volta. O Afeganistão surge naturalmente, sem soviéticos, apenas sua população local.

A HQ é uma versão dos bastidores da viagem. Lefèvre se coloca como personagem, apesar de narrar em primeira pessoa – tal como Sacco.

O volume 3 é o melhor da série. A volta desacompanhado de Lefèvre revela não somente um ato corajoso, mas também desafiador. Enfrentar uma trilha vista uma única vez, em meio a uma paisagem que não se difere a não ser em detalhes se tornou uma aventura quase sem chegada.

Ele enfrentou policiais corruptos, guias desinteressados e mercenários, frio, fome, dores para chegar ao seu destino. De forma redentora.

55_759-fotografo“O Fotógrafo” não é uma história de guerra. É uma história que mostra uma aventura humana por um país desconhecido, marginalizado e em guerra. Salta das páginas o afeto que conquista Lefèvre, de uma terra cujas geografia e natureza tendem a desafiar os ocidentais.

As fotografias, mais do que documentais, narram o cotidiano afegão e a vontade de reconhecimento de um povo. Em alguns casos, chegam a ser comoventes.

Em resumo, a HQ é obra rara. E fundamental não só para quem aprecia HQ.

Anúncios

5 thoughts on “Fotografia e quadrinhos se unem para retratar o Afeganistão”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s