Brasil, Música, Não ficção, Notas de leitura

Notas de leitura: o caso Bruno, a morte do rock e uma seleção de perfis

3299380“Indefensável” (Record), de Paulo Carvalho, Leslie Leitão e Paula Sarapu
A história é das mais trágicas e mirabolantes, um crime cinematográfico que envolve uma frieza incomum. A morte de Eliza Samudio é contada nesse livro por três jornalistas que acompanharam o caso desde os primeiros boatos do desaparecimento da modelo. Rica em detalhes, a longa reportagem passa pela infância e juventude do goleiro Bruno, a relação com os jogadores do Flamengo – são vários os casos de orgias e festas com traficantes – e o envolvimento com Macarrão. O principal mérito do livro é recolher todas as facetas da história e colocá-las em ordem, o que dá ao texto um ritmo de thriller. A edição acerta em separar, no final, os destinos de Bruno, Macarrão e Bola (que teria sido o executor), da mesma forma como foi feito o julgamento – os advogados, em uma das inúmeras manobras, conseguiram desmembrar o caso. Faltou um pouco de tempero à Truman Capote e seu “A Sangue Frio”: revelar a trama por meio de Bruno e Macarrão. Ficamos sem saber quem deu a ordem efetivamente, como foi feito o arranjo e quando foram tomadas as decisões. Da mesma forma que a promotoria apresentou o caso, tudo ficou na suposição. Ainda assim, o livro é imperdível e revela muito das personalidades envolvidas, um verdadeiro estudo de caráter.

15057816“O Dia em que o Rock Morreu” (Arquipélago), de André Forastieri
A editora especializada em não ficção reúne neste volume textos escritos pelo jornalista em sua carreira, de repórter da “Folha”, passando pela revista “Bizz” até chegar aos seus empreendimentos e ao blog no R7. Dono de um texto sarcástico, sem firulas e direto ao ponto, Forastieri acredita ter encontrado um conjunto de textos que ilustra como o gênero musical entrou em decadência até se tornar obsoleto. As teses são muito pessoais, e Forastieri não se importa em ser questionado – o que talvez valorize suas opções. Além disso, possui um texto fluente e muito bem escrito, um dos melhores do jornalismo musical. Ele mistura, nos artigos mais recentes, música e tecnologia, para entender como as pessoas lidam com a nova era. A capa brinca com a arte do disco “Never Mind the Bollocks, Here’s the Sex Pistols”, o clássico da banda punk inglesa. Faltaram as referências dos textos, as datas em que foram escritas e quando foram publicados – o que não compromete o resultado.

5171480“Bandido Raça Pura” (Arquipélago), de Fred Melo Paiva
O livro compila 36 perfis escritos pelo jornalista para os diversos veículos em que trabalhou – “O Estado de S.Paulo” (em sua maioria), “Folha”, “Trip”, “Vip”. Dividido em quatro partes – Dos ilustres mais ou menos virtuosos, Dos notáveis anônimos, Dos cães, ratos e urubus e Das coisas supostamente inanimadas -, o livro traz perfis de Oscar Niemeyer, Ronaldo, Cléo Pires, do escritor Paulo César de Araújo, da favela que ficava próxima à Daslu, do sucatão da Presidência, entre outros. Seus textos primam pela linguagem informal, direta, em que sutilezas muitas vezes são descartadas. Observador, foca em modos e gestos que poderiam passar despercebido. O conjunto revela então um estilo que cansa, se os textos forem lidos em sequência. As brincadeiras parecem se repetir. Se lidos semanalmente, seus textos ganham força – como na época em que seus perfis saíam aos domingos no “Estado”. No livro, perdem impacto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s