Argentina, Biografias/Perfis, Chile, Estados Unidos, Ficção, HQ, Música, Notas de leitura

Notas de Carnaval

A última névoa e a amortalhadaCheguei a María Luisa Bombal e seu “A Última Névoa” (Cosac Naify) por acaso. Passava os olhos em uma prateleira quando me deparei com o livrinho. Curioso, puxei e me encantei com o texto que Jorge Luis Borges escreveu na orelha.

São duas novelas, a que nome ao livro e “A Amortalhada”. A autora chilena é regularmente comparada a Juan Rulfo, pois sua obra se resume a esses dois títulos – o mexicano se restringiu a “Pedro Páramo” e “Planalto em Chamas”.

E assim como em Rulfo, não me entusiasmei com a prosa de Bombal. Na primeira novela, uma mulher enfrenta alucinações em meio a uma crise conjugal. Na segunda, uma mulher, deitada em seu caixão, revê seu passado por meio das pessoas que a olham e prestam homenagem.

os-lemmings-e-os-outros-fabian-casas-ligia-braslauskas-600Continuei na América Latina, agora na Argentina. Da ótima coleção Otra Língua (Rocco), pesquei “Os Lemmings e Outros”, de Fabían Casas. Uma deliciosa crônica da infância e juventude, o livro é dividido por capítulos que podem funcionar como contos independentes. Há sempre uma ligação entre eles, mas nunca dependentes. Lê-se, então, como um romance.

Há uma certa lembrança de “Os Meninos da Rua Paulo”, do húngaro Ferenc Molnár, e os textos de Salinger. Tudo conduzido pela prosa simples, fluente de Casas.

Sem apelar ao tom nostálgico, Casas viaja ao tempo para relembrar o bairro Boedo, fincado na região do tango de Buenos Aires. E nos ajuda a também rememorar qualquer que tenha sido nosso bairro.

Cicatrizes1Já o romance gráfico “Cicatrizes” (Leya Cult), de David Small, contrastou com a luz de Casas. HQ autobiográfica, Small acerta em não fazer acerto de contas ao optar pela narrativa seca, como sua história.

Garoto com problemas respiratórios, foi submetido a altas doses de radiação em exames feitos pelo pai. Isso o levou a desenvolver um câncer na garganta. Operado, perdeu parte da voz.

Ele vive sob o jugo dominador da mãe, uma megera que não revela emoções nem deixa filho e marido sentirem. Sabe-se que muitos dos seus problemas eram decorrentes de uma anomalia física – seu coração ficava do lado direito do peito.

Todo em preto e branco, o romance gráfico é contundente, sem provocar simpatia fácil e estranhamentos. “Cicatrizes” é obra maior de um talentoso ilustrador de livros infantis.

capa_gigantes_siteO Carnaval acabou em jazz. Edição artesanal de A Bolha, “Gigantes do Jazz” traz 13 perfis de jazzistas escritor por Studs Terkel, jornalista e um dos maiores escritores da história oral americana.

Os textos são primorosos. Estão lá Joe Oliver, Louis Armstrong, Bessie Smith, Bix, Fats Waller, Duke Ellington, Benny Goodman, Count Basie, Billie Holiday, Woody Herman, Dizzy Gillespie, Charlie Parker e John Coltrane.

Para cada perfilado, ele escolhe uma visão. Para Olive, Terkel parte do ostracismo vivido pelo músico. De Armstrong, opta para contar sua formação. Quando escreve sobre Bessie Smith, emerge mais a mulher do que a cantora. A relação com pai é fator central do texto sobre Goodman.

O livro, entretanto, precisa de uma revisão. Fruto talvez do trabalho artesanal, sem as engrenagens de uma grande editora, os erros surgem ao longo das páginas, claramente de revisão.

“Gigantes do Jazz” merece esse carinho.

Anúncios

4 thoughts on “Notas de Carnaval”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s