Comentário, França, HQ

O silêncio como palavra

cloroEm tempos em que falar e escrever são medidos pelo excesso, é notável o trabalho que o francês Bastien Vivés realizou na HQ “O Gosto do Cloro” (Barbanegra/LeYa).

O silêncio e o respeito ao tempo dos outros é o norte do livro, em que o ilustrador e roteirista faz uso de uma paleta de cores restrita, com tons pastéis e uma base de pequenas variações de verde.

A história é simples. Um jovem com problema na coluna é aconselhado por seu fisioterapeuta a praticar natação. Ele vai então a uma piscina pública, onde enfrenta sua resistência.

Sem nomes ou identificação de lugares, a HQ é quase toda passada dentro da água. A perspectiva que o autor imprime muda em alguns quadros, para o narrador e para o jovem.

Ao encontrar uma francesa, tenta um contato tímido, até que a natação das quartas-feiras se torne rotina em sua vida. Mesmo assim, o jovem não invade a privacidade da garota – as conversas são sobre o jeito de nadar do rapaz e questões genéricas, como “quais coisas você nunca abandonaria?”.

Os intervalos que Vivés impõe ao leitor são mais do que um respiro, são a contemplação necessária para enxergar que a distância, assim como a proximidade, é necessária para se obter uma certa leveza.

No final, a sensação que temos é que nem tudo precisa ser transmitido por palavras, faladas ou escritas. Nem o amor.

cloro (1)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s