O livro que se transforma

Colecionadores e aficionados são “vítimas” de uma tática da indústria musical atualmente. Para contar a constante queda nas vendas, as gravadoras encontraram um meio para evitar a agonia: lançamentos especiais de álbuns que marcaram uma era ou que se tornaram clássicos. São as tais edições deluxe, com faixas extras e mais um monte de penduricalhos.

Confesso que é muito melhor comprar uma versão deluxe do R.E.M. – que acabou de lançar “Green”, com faixas ao vivos para comemorar 25 anos do seu lançamento – do que um CD novo de qualquer banda eleita a melhor do ano ou que esteja fazendo a cabeça de indies/hipsters.

A indústria do livro percebeu a onda. Não sei se com os mesmos objetivos, já que os livreiros vivem bom momento – o ebook avança com tranquilidade.

Então, novas traduções e versões com sobras e prefácios, posfácios e fortuna crítica já são mais do que tendência, são a maldição para o bolso.

“Notícias do Planalto”, por exemplo, foi relançado em versão econômica. Perdeu o caderno de fotos que ilustrava a república de Collor, mas ganhou um posfácio do autor, Mário Sérgio Conti, que analisa como os jornalistas que cobriram a crise de 1992 estão vivendo hoje. Li o texto na “piauí”, então preferi manter a primeira edição na biblioteca.

Neste post (Memória fiel), escrevi sobre as novas edições de Nick Hornby, que não substituirão as minhas originais.

O Retrato de Dorian GrayMas não resisti à edição de “O Retrato de Dorian Gray“, de Oscar Wilde, que a Biblioteca Azul acabou de lançar. Publicado em 1891, o livro foi censurado e sofreu cortes. Esta versão foi composta a partir dos originais de Wilde, na íntegra.

A tradução é de Jorio Dauster, responsável pelas melhores traduções de Nabokov e que já verteu Salinger, Ian McEwan e Philip Roth. Traz ainda um rico acervo de notas, o prefácio original de Wilde, sugestões de leituras e ilustrações. É um volume para colecionador, mas deve encantar o leitor que chega a ele pela primeira vez.

Com isso, a edição da Civilização Brasileira não resistiu. Foi para a caixa onde estão os livros que seguirão para doações.

Sem vitimização, mas com um sorriso no rosto sempre que olho para a prateleira na letra W.

2 comentários em “O livro que se transforma

  1. Nesse caso, trata-se mesmo de um livro novo, uma descoberta, nos moldes da versão original do On The Road. E Dorian Gray é realmente maravilhoso. A primeira parte, atulhada de aforismos geniais, é tão boa que o sorriso quase congela no rosto. Depois fica mais sombrio, mas ainda assim muito bom. Não sei se teria paciência para ler essa nova versão, mas é muito gostoso adquirir um livro assim. A minha edição é da Ediouro, As Obras-primas de Oscar Wilder, com outros trabalhos dele incluídos.

    Curtir

Deixe uma resposta para Ricardo Ballarine Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s